Anuncie neste site

Muito cuidado com quem pede dinheiro pelo WhatsApp, mesmo que seja contato conhecido


Foto:Ilustração/Internet - A dica é: "Não passe nada! Só transfira dinheiro se realmente tiver certeza absoluta do que está fazendo. Desconfie sempre e não forneça dados pessoais."
Foto:Ilustração/Internet - A dica é: "Não passe nada! Só transfira dinheiro se realmente tiver certeza absoluta do que está fazendo. Desconfie sempre e não forneça dados pessoais."

Publicado em 26/10/2020 10:15 - Categoria: Policial
Atualizado em 26/10/2020 10:20 - Escrito por: Marcelo Gris

“Oi, mudei de número, tem como pagar o valor do aluguel?” ou “Estou com um probleminha aqui amigo(a), tem como me emprestar até amanhã?”, são mensagens cada dia mais comuns enviadas pelo WhatsApp, pedidos que podem vir de contatos desconhecidos e até mesmo de gente próxima do seu círculo familiar ou de amigos, mas que também estão sendo associadas a golpes.

 

A recomendação por parte da polícia e de especialistas para quem é abordado por estranhos ou até mesmo conhecidos solicitando valores em dinheiro de forma inesperada pelo WhatsApp e tantas outras redes sociais similares é categórica: Não passe nada! Só transfira dinheiro se realmente tiver certeza absoluta do que está fazendo. Desconfie sempre e não forneça dados pessoais.

 

 

 

Golpistas se escondem bem

 

É difícil saber exatamente quem são os golpistas atuantes neste tipo de atividade delituosa, mas a grande maioria não utiliza contatos que os identifiquem, se valendo de contas bancárias oferecidas por laranjas, que atuam de forma indireta no golpe, recebendo percentuais do crime, além é claro de algumas pessoas que tiveram seus dados pessoais utilizados indevidamente, sem que soubessem.

 

Cai nesse golpe, é agora?

 

É importante informar a Polícia Civil e registrar boletim de ocorrência. No Tocantins isso pode ser feito pela internet, através da Delegacia Virtual. Outra medida extremamente necessária é informar rapidamente o banco, alertando sobre o crime para que a devolução dos valores subtraídos seja realizada. Caso o banco se negue a fazer isso, procure um advogado ou a Defensoria Pública.

Compartilhe: